Categoria: Sociologia

O retorno de Jesus

Old City from the Mount of the Olives

Seja pela sua fé, pela história, pelos círculos sociais em que vivemos, poucos não sabem que as escrituras pregam o retorno de Jesus Cristo ao mundo. OK, pode ser que seguidores do Islã ou de religiões orientais não tenham conhecimento, mas também não acho que eles me leem. Certamente os cristãos por vezes se questionam: “quando é que Cristo volta?”. Ao analisarmos a questão do tempo, pode ser que demore: cientistas não têm certeza sobre quando surgiu o universo, mas parece existir um consenso de que este tem uma idade entre 10 e 20 bilhões de anos. A Terra, estima-se, teria aproximadamente 4,5 bilhões de anos. A partir destas informações, notamos que Jesus “veio ontem”. No entanto, quando comparamos com a história da humanidade (algo entre 5 mil e 12 mil anos), Jesus já veio há algum tempo.

Com as redes sociais e a informação “a um clique”, o mundo atual diferencia-se muito daquele dos tempos de Cristo. Boas ou ruins, as informações estão disponíveis. Dúvidas podem ser rapidamente sanadas por meio de uma consulta no Google. Pessoas se automedicam, tanto com remédios como psicologicamente. Grupos terroristas se espalham. Boatos (e verdades) se espalham rapidamente. Tudo nos chega, e muitas vezes as informações não são filtradas.

Alguns aprenderam as lições de Cristo: hoje nos solidarizamos mais com a questão dos refugiados, com a questão da África, somos mais tolerantes em relação ao diferente, buscamos uma vida mais ecológica e menos dependente do dinheiro. Por outro lado, muitos parecem não ter aprendido nada. Refugiados, imigrantes, negros, praticantes de religiões diferentes, homossexuais, pobres, não recebem dos seres humanos o amor que Jesus nos ensinou a dar. O discurso religioso, inclusive, é usado para legitimar o mal e o ódio.

Como dizem as escrituras, Jesus voltará algum dia. E se fosse hoje? Vejamos como seria.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Estilo de Vida, Sociologia

Dados: porte de armas e desigualdade têm relação direta com a violência

dados

Vamos esclarecer algumas coisas: é óbvio que a estatística é cruel. Se a estatística diz que nos países com renda mais bem distribuída a violência é menor, mas você mora na Islândia e perdeu seu único filho por assassinato, a estatística foi cruel contigo.

Essa mesma explicação vale para os “exemplos de pessoas que mesmo órfãs e sem ter onde morar viraram funcionários públicos, médicos, engenheiros ou cientistas sociais”. São exemplos admiráveis e louváveis. Mas são raros e não é meu intuito me aprofundar nessa questão.

Mas a estatística, quando analisa todo um país ou local em específico, é inquestionável. E aí está o cerne da questão: a pessoa pode ter posicionamento político, religioso ou econômico diferente do outro. Mas ela não pode questionar os dados, que muitas vezes são usados como argumentos para uma série de questões.

Com os inaceitáveis casos de mortes recentes, no Rio e em São Paulo, os arrastões cariocas, as chacinas paulistas, dentre outros, a discussão ganha ainda mais relevância. Não que roubar seja certo ou que as pessoas que cometeram os delitos sejam santas, mas que tal se nos perguntássemos: por que existe a violência? Os dados oficiais dos gráficos que estou postando explicam um pouco disso:

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Serviços Públicos, Sociologia

Um guia para leigos (parte 2): Eduardo Cunha

eduardocunha

Dando continuidade à proposta do último texto (Um gua para leigos – parte 1), pretendo tentar trazer para vocês as raízes históricas e políticas de nosso país que culminaram na chegada de Eduardo Cunha à presidência da Câmara. De antemão, peço desculpas aos amigos historiadores por eventuais erros e omissões.

Para que se compreenda qualquer contexto num cenário mundial, seria necessário voltar alguns anos na história. Poderia analisar a partir da chegada da Corte de Portugal ao Brasil, a partir da Velha República ou a partir da Era Vargas, mas começarei a análise a partir dos tempos da ditadura militar. No contexto mundial, deixarei meus interlocutores situados sobre alguns aspectos do cristianismo no mundo.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Política, Sociologia

Um guia para leigos (parte 1): PT e PSDB

fhclula

As opiniões políticas que emito neste espaço, geralmente, acabam sendo lidas por pessoas com uma orientação política mais próxima à minha (que costumam seguir meu blog), assim como as publicações no Face são “filtradas” de acordo com o que cada um está acostumado a ler/curtir. Neste momento, no entanto, pretendo tentar trazer para vocês as raízes histórico-políticas de nosso país que culminaram na chegada de PT e PSDB ao poder e na rivalidade entre os dois partidos. De antemão, peço desculpas aos amigos historiadores por eventuais erros e omissões.

Para que se compreenda qualquer contexto num cenário mundial, seria necessário voltar alguns anos na história. Poderia analisar a partir da chegada da Corte de Portugal ao Brasil, a partir da Velha República ou a partir da Era Vargas, mas começarei a análise a partir dos tempos da ditadura militar…

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Política, Sociologia

O Rio (de contrastes) no centro do mundo

rio centro mundo

Cristo Redentor, durante a final da Copa do Mundo

Olimpíadas, Copa do Mundo, Copa das Confederações, Jogos Panamericanos, Jornada Mundial da Juventude, Rio+20, TED, Fórum dos BRICS, Prêmio Laureus do esporte. O que estes eventos têm em comum? Nos 10 anos compreendidos entre 2007 e 2016, são eventos que foram, parcial ou integralmente, sediados pelo Rio de Janeiro.

O Rio sempre foi marcado pelos contrastes. Não, não vou cair no lugar comum e comparar as favelas, com saneamento básico e serviços públicos deficientes, aos luxuosíssimos edifícios de Ipanema, Leblon e Lagoa… até porque, com a melhor distribuição de renda no país, a pobreza extrema acaba amenizada, o que é bom… Tampouco vou discutir sobre as alegrias e preocupações dos cariocas, nem sobre os “branquelos” gringos que vêm pra cá e se apaixonam pelas nossas “mulatas”.

Não há dúvidas de que o Rio é hoje a metrópole em maior evidência global. Este texto se propõe a analisar as externalidades positivas e negativas capturadas pela cidade na década 2007-2016.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Política, Serviços Públicos, Sociologia

Por que a terceirização de atividades-fim não é boa nem para as empresas? E por que elas, mesmo assim, continuam a realizá-la?

Este espaço é aberto à contribuição de outras pessoas. O texto a seguir é de autoria de meu amigo Gustavo Barreto, engenheiro de Telecomunicações e Mestre em Engenharia de Produção na área de Trabalho.

Coke_and_beggar

Esse texto busca abordar a terceirização da atividade-fim pelo ponto de vista empresarial. Certamente os efeitos negativos aos trabalhadores são muito mais importantes do que os sentidos pelas corporações, essa abordagem só foi usada pela existência de vários ótimos textos na internet abordando as más consequências aos empregados pela aprovação da lei, como este, do professor Ricardo Antunes, e o do professor Ruy Braga.

Uma pergunta sempre me vem à cabeça quando o assunto é terceirização de atividades-fim: porque uma empresa contrataria uma terceirizada para realizar melhor um serviço que é a atividade para qual essa empresa existe? Por exemplo, pra que a Coca-Cola vai terceirizar a produção de refrigerante, para uma empresa que faça refrigerantes melhor do que ela? Seria um atestado de incompetência sem prazo de validade definido?

Continuar lendo…

Categoria(s): Economia, Outros autores, Sociologia

Os limites da “importância” da religião

syrian_girl

Criança síria se rende ao confundir câmera fotográfica com uma arma

Sempre cresci ouvindo que religião é muito importante na vida de uma pessoa. Que mundo de merda (me perdoem a expressão) é esse, onde a religião acaba sendo a causa de tantos males?

A foto acima, reproduzida pela jornalista Nadia AbuShaban no Twitter, que tem repercutido nas redes sociais, é um enorme representativo dos males que a religião pode causar ao mundo, principalmente quando levada ao extremo.

Judeus de Israel massacram muçulmanos palestinos, muçulmanos de grupos extremistas massacram cristãos e yazidis. Cristãos das mais diversas ramificações digladiam-se entre si. Israel reelege Netanyahu. Cresce o “xenofobismo religioso” em países de primeiro mundo.

Sem falar em matanças históricas, como as Cruzadas e o holocausto judeu.

Quem são vocês pra ficar julgando o outro, criticando o outro, privando o outro de suas liberdades e escolhas pessoais?

Quem são vocês pra decidir sobre a VIDA do outro?

Abraão deve ficar bem triste quando vê seguidores de seus descendentes interpretando ensinamentos de maneira tão distorcida. E como diz Papa Francisco: “todas as religiões são verdadeiras porque elas são verdadeiras no coração daqueles que acreditam nelas”.

Categoria(s): Artes e Cultura Geral, Escrito por Matheus, Sociologia

A saúde está um caos? Uma análise contracorrente

atendimento_SUS

“O SUS é uma porcaria!”

“Nada funciona!”

“A saúde está um caos!”

“Todo dia morre gente na fila dos hospitais!”

Todo mundo aponta as falhas do SUS. Mas poucas pessoas discutem o porquê destas. Muito menos apontam soluções. Acham que é fácil resolver todos os problemas do país. Mas se esquecem que temos dimensões continentais, incríveis desigualdades regionais e ainda poucos recursos (financeiros, científicos e humanos). Sem contar o aumento populacional dos últimos anos e a mudança no perfil das doenças.

Pois então, preenchendo essa lacuna, venho neste texto explicar alguns aspectos característicos da saúde no Brasil e explicitar um pouco da evolução do setor.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Política, Serviços Públicos, Sociologia

Fica difícil saber

Nada sei

Nos últimos dias, Roberto Bolaños deixou o mundo. Aí surgiram pelas redes sociais algumas centenas de homenagens que me fizeram perguntar: será que todos eram, de fato, FÃS de Chaves assim? Ou foi um movimento de corrente e “necessidade de postar algo a respeito” que fez com que todos o homenageassem?

Chaves era, de fato, um seriado genial. Mas não vou analisá-lo ou homenageá-lo por 2 motivos:

1) porque muitos já o fizeram.

2) porque eu nunca tive muita paciência pras mesmas piadinhas de sempre. Sempre fui meio vidrado em informações.

Mas, vamos ao que interessa…

Eu não sei o que dizer do superávit primário, nem o que pensar dos novos ministros da Dilma…

Não sei o que pensar da nossa derrota na Copa do Mundo e do seu impacto quando nos lembrarmos do 7 a 1 no futuro.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Estilo de Vida, Sociologia

Há uma relação entre o sistema educacional brasileiro e o conflito Israel-Palestina

class room at community centre BASR

Existem algumas coisas evidentes na política no Brasil. Uma delas é a Tríade Religião-Política-Poder. A bancada evangélica do Brasil cresce de maneira substancial e até assustadora. O uso da máquina religiosa elege para o Congresso gente como Eduardo Cunha, Marco Feliciano e a Família Bolsonaro.

Tenho uma fé católica, por uma série de motivos, mas me diria, acima de tudo, um Cristão, principalmente pelo amor e respeito ao próximo. No entanto, discordo de alguns aspectos do protestantismo no Brasil (sobretudo em suas ramificações pentecostais):

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Serviços Públicos, Sociologia

Cara, parques de diversão são demais

parques_diversao

Todo mundo tem lembranças eternas da infância. Também tenho as minhas. Ainda que eu tenha tido medos estranhos (nunca entrei num daqueles pula-pulas infláveis, fechados, por medo de morrer sufocado).

Fiz viagens inesquecíveis para Cabo Frio com a família (todo ano passávamos uns 10 dias por lá), e certamente me lembrarei destas para sempre. Mas se algo realmente me encantava (e ainda me encanta), eram os parques de diversão.

Não, não é a Disney… nem mesmo aqueles mega-parques nacionais, como o Hopi Hari e o Beto Carrero. Me refiro, na verdade, àquele parque da esquina, que chega para a festa junina do bairro ou para as exposições agropecuárias.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Estilo de Vida, Sociologia

O que o “Esquenta” revela sobre o brasileiro?

Esquenta-4

O programa Esquenta e a opinião das pessoas sobre ele revela muito sobre a nossa sociedade. Por mais que possa haver críticas a uma série de aspectos do programa, como o elenco “visitante” que é praticamente fixo, os cortes de edição (que me desagradam muito) e até os aspectos musico-culturais, nada justifica as principais críticas ao programa, sempre carregadas de um discurso de ódio e preconceito.

Por mais que eu seja fã de funk antigo e de samba de raiz, não gosto dos funks mais recentes e nem de pagode. No entanto, isso não me faz desgostar do programa. Não o assisto porque não vejo televisão. Mas me revolto com as críticas que ouço: já ouvi expressões como “Tinha que explodir uma bomba ali” e “É o programa que hospeda os traficantes que fornecem drogas para os artistas da Globo”. São críticas infundadas, raivosas e dignas de processo: imbutem um discurso que prejulga o outro.

Continuar lendo…

Categoria(s): Artes e Cultura Geral, Escrito por Matheus, Sociologia

Bolsa Família, imediatismo e o ensinar a pescar

bolsa-familia-bs_photograph

Com a proximidade das eleições, torna-se ainda mais comum ouvir questionamentos às políticas sociais do governo, sobretudo ao Bolsa Família, alegando que este cria uma massa de pessoas desinteressadas, geralmente usando adjetivos bastante pejorativos para tal. Sempre vem à tona o argumento de que “é necessário ensinar a pescar, e não a dar o peixe”. E então surgem algumas perguntas:

1) O programa é mesmo necessário ou trata-se de um mecanismo para compra de votos?

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Política, Serviços Públicos, Sociologia

Sobre bandidos, vida e oportunidades

sandro_174

Se há um debate bastante amplo neste país, este engloba a violência e o tratamento que deve ser dado àqueles que cometem delitos. No Rio de Janeiro, não é raro ouvir casos de bandidos, traficantes, supostos bandidos e moradores da favela sendo tratados de maneira brutal pela polícia. Diversos lamentáveis casos recentes (noticiados) podem ser lembrados: o do adolescente que foi acorrentado a um poste com uma tranca de ferro e cruelmente agredido por populares, o caso de 6 adolescentes inocentes que foram brutalmente mortos pela polícia como vingança à morte de uma policial em alguma operação que não me lembro, a morte de vários jovens numa operação na favela da Maré e o caso de tortura e desaparecimento do pedreiro Amarildo, além dos casos de DG, Cláudia e do menino assassinado no Sumaré.

Antes que me acusem de estar defendendo apenas um lado, respondo-lhes que não. Estou criticando o sistema: o ódio e a repressão culminam em mais violência e ódio contra a nossa polícia, resultando também na morte de muitos policiais.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Estilo de Vida, Serviços Públicos, Sociologia

Os porquês do Brasil

Inglehart-Values-Map-Huge

Não é incomum entreouvir as pessoas dizerem que as causas dos avanços ainda incipientes do Brasil, que vão desde a economia até a sociedade e os serviços públicos, têm sempre a mesma origem. Pensar um pouco “fora da caixa” implica em fugir do lugar comum que culpabiliza a corrupção, a má gestão e o sistema educacional como as únicas razões dos serviços públicos brasileiros ainda estarem distantes, em qualidade e eficiência, dos europeus, não deixando de reconhecer, no entanto, que estas ainda são questões crônicas do país. Entre as razões que certamente explicam o melhor funcionamento das coisas pelos países europeus, pode-se destacar aspectos históricos, geográficos, democráticos e culturais.

1) Comecemos, portanto, pelos HISTÓRICOS:

Continuar lendo…

Categoria(s): Economia, Escrito por Matheus, Política, Serviços Públicos, Sociologia

Trabalho, saúde e consumismo: o terceiro de três tripés

ccc.0021.tif

Sou muito grato à UFF pela formação generalista que ela me proporcionou. Acho que, apesar da melhor infraestrutura de algumas faculdades particulares, as faculdades públicas trazem uma visão social e humanista que certamente não se faz presente nas grandes escolas de negócios (tampouco nos grandes negócios de escolas). Na formação de engenheiros, uma abordagem bastante enfatizada é um conceito do desenvolvimento sustentável, que enuncia a necessidade de equilíbrio entre 3 vertentes: Social, Econômica e Ambiental. Esta é uma condição fundamental para que se satisfaça um ciclo virtuoso onde as condições dignas de vida, o desgaste do planeta e o desenvolvimento econômico convivam num mesmo espaço. Em qualquer projeto ou empreendimento, deve-se garantir um equilíbrio dos três aspectos.

Continuar lendo…

Categoria(s): Escrito por Matheus, Estilo de Vida, Sociologia